Importando ideias e projetos II. Instalação de um parque urbano em Maceió

Quando se vive em uma cidade litorânea, há uma tendência natural à utilização das áreas próximas ao mar e consequente esquecimento das demais regiões da cidade. Vê-se, assim, que há uma concentração de alternativas de lazer em algumas áreas e carência nas demais.

Na capital alagoana, quando se pensa em lazer, só há uma alternativa: a orla marítima. Apesar desta ser considerada uma das mais bonitas do Brasil (com toda justiça), não pode uma cidade que se aproxima de 1 milhão de habitantes não ter outras áreas dedicadas à recreação da população.

Em Maceió, há algumas pouquíssimas áreas verdes, como o Parque Municipal de Bebedouro, o Cinturão Verde da Braskem e o Horto Florestal, onde fica a sede do IBAMA. Apesar de se tratarem de áreas bem preservadas, são pouco utilizadas pela população. O que Maceió precisa é de um verdadeiro parque urbano:

Um parque urbano é um tipo de espaço livre de edificações, normalmente caracterizado como espaço público, no qual há tipicamente abundância de vegetação e áreas não pavimentadas, mas sobretudo localizado dentro de uma região urbana. Nele, estabelecimentos industriais e residenciais são proibidos, e estabelecimentos comerciais são normalmente restritos a quiosques e vendedores ambulantes. Eventualmente um parque urbano está ligado a um conjunto de equipamentos públicos de caráter cultural, como museus, centros culturais e casas de espetáculo.
Um parque urbano propicia lazer e recreação aos habitantes da cidade, assim como uma apropriação lúdica do espaço público. Parques urbanos incluem muitas vezes playgrounds e campos de esportes, laguinhos e centros educativos como museus e jardins botânicos. Parques são um dos componentes-chaves de uma cidade especialmente dedicada em propiciar um alto nível de qualidade de vida aos seus habitantes” (wikipédia)

A área dedicada ao parque urbano de Maceió não precisa ser tão grande, basta ter muitas árvores, muita grama, equipamentos de lazer e pista para caminhada. Já seria uma alternativa de lazer (e de saúde, é claro) interessante.

Onde instalar um parque urbano em Maceió? Ou uma área afastada (de expansão urbana) seria utilizada, na parte alta da cidade, por exemplo, ou teríamos que recorrer a alguma área de urbanização já consolidada. Neste aspecto, eu daria quatro sugestões: duas delas, em áreas degradadas da cidade e outras duas em áreas nobres.

Quanto às sugestões para instalação de um parque urbano em áreas degradadas, indicaria a região da orla lagunar, que passaria por um processo de revitalização (com inspiração na região da Lagoa Rodrigo de Freitas) e a região onde ficava o lixão de Maceió. Esta última, inclusive, já foi cogitada para abrigar um parque municipal, mas não vi avanços neste projeto. Se instalados nestas áreas, o parque urbano de Maceió recuperaria regiões esquecidas pelo Poder Público, o que poderia gerar uma valorização imobiliária dos bairros próximos.

Em relação à instalação do parque urbano em áreas mais valorizadas de Maceió, eu indicaria a Praça Centenário (que abrigaria um parque de pequeno porte, mas já é alguma coisa), o Quartel do Exército (já houve boatos neste sentido) e o Parque da Pecuária, que teria que se mudar para outra região da cidade. Ou até mesmo a transformação do Corredor Vera Arruda (que terá sua segunda etapa realizada a partir deste ano, segundo notícias) em um parque urbano, a partir do plantio de árvores e instalação do equipamentos de lazer.

Vale lembrar que cidades próximas, como Recife (foto – Parque da Jaqueira), Salvador e Aracaju têm seus parques urbanos, e nós também podemos ter.

Tudo depende de vontade política e pressão da sociedade.