Quando resolvi criar um blog sobre cultura e viagem, pretendi, sempre que possível,  tentar conciliar os dois assuntos. Afinal, são mais que compatíveis: viagens culturais ou aspectos culturais de um determinado lugar que se pode visitar são temas recorrentes em minha vida e que tanto aprecio.

É evidente que não teremos tempo na vida para viajarmos a todos os lugares que queiramos, a não ser que nossas pretensões sejam bem limitadas, o que não é meu caso. Assim, enquanto tenho que ficar esperando uma oportunidade para conhecer determinados lugares, vou sonhando, planejando e lendo sobre meus próximos destinos turísticos. Ressalto que muitas vezes, faço questão de retornar a lugares que já visitei.

Os livros são sempre uma ótima companhia; os livros sobre viagem são fantásticos. Classifico tais livros em algumas categorias: os guias de viagem, os livros sobre relatos de viagens e os livros ambientados em determinado lugar. Em relação ao primeiro grupo, sou colecionador de guias de viagem, sejam sobre Alagoas, sobre o Brasil e sobre países e cidades de todo o mundo. Gosto muito da coleção Guia Visual da Folha de São Paulo: já adquiri as edições da Itália, Alemanha, França, Inglaterra, EUA, Europa, Ilhas gregas, dentre outras. Também sempre comprei, desde minha adolescência, o Guia Quatro Rodas Brasil (hoje em dia compro a cada 3 anos uma edição atualizada).

Imagem

Em relação aos livros sobre relatos de viagem, este é um segmento da literatura com muitos apreciadores em todo mundo e que já existe há muito tempo. Basta lembrarmos de alguns clássicos, como As viagens de Gulliver (Jonathan Swift), ou A Volta ao Mundo em 80 dias (Julio Verne), que embora sejam ficcões, povoam as mentes de milhões há bastante tempo. Há outros clássicos que marcaram gerações, como Na estrada, que fala sobre a rota 66 nos EUA (Jack Kerouac, tenho em casa, mas ainda não li).

http://viajeaqui.abril.com.br/materias/10-livros-que-narram-aventuras-de-viagem

Há também livros que nos ajudam a conhecer lugares de uma forma mais pessoal, como o guia turístico e sentimental de Lisboa escrito por Fernando Pessoa.

(http://www.anba.com.br/noticia_turismo.kmf?cod=13712921).

No Brasil, temos autores conhecidos, que escreveram livros sobre suas viagens, como Amir Klink, Zeca Camargo, Heloísa Schurman, Danuza Leão, Maurício Kubrusly, dentre outros.

A última categoria de livros sobre viagens são aqueles que embora não sejam relatos de viagens, são ambientados em lugares que queremos conhecer. Este livros nos fazem “viajar” a estes lugares. É o que acontece com os livros de Jorge Amado e sua Bahia, ou com os livros de Agatha Christie, que me fizeram conhecer tão de perto a realidade inglesa do século passado. Nos últimos tempos, causou grande impacto editorial “Comer, rezar e amar” (Elizabeth Gilbert), ambientado na Itália, na Índia e em Bali.

Não importa qual o estilo do livro: se é um relato técnico, sentimental ou as duas coisas juntas. Também não me importa se o livro relata um lugar numa época passada ou atual. Gosto de todos estes gêneros e propostas. Afinal, se ler é viajar, ler livros sobre viagens é ainda mais interessante.

Imagem

 

Anúncios