Vivi minha adolescência entre o final dos anos 80 e o começo dos anos 90. Por coincidência (e para minha sorte), foi a época de ouro do rock nacional.

Tive o privilégio de ter crescido ouvindo bandas como Legião Urbana, Paralamas do Sucesso, Titãs, Capital Inicial, Ira, RPM, Ultraje a Rigor, Kid Abelha, Biquini Cavadão, e artistas como Cazuza, Rita Lee, Léo Jaime, Lobão, Raul Seixas, dentre tantos outros.

Apesar de ser fã de todos eles, minha maior admiração era, é e será pelos Engenheiros do Hawaii, banda gaúcha amada por uns e odiada por tantos outros.

Por que alguns não curtem os Engenheiros? Não faço a menor questão de saber; por que outros, como eu, adoram os Engenheiros? Talvez por sua qualidade musical, seja nas letras (inteligentes, provocantes, irônicas, instigantes, etc), seja pelo som (Gessinger, Licks e Maltz arrasavam).

As frases das músicas dos Engenheiros sempre me causaram grande contentamento. Muitas vezes, tinha um duplo sentido, outras vezes tinham um sentido subliminar. Na maioria das vezes, era poesia pura.

Seguem aí algumas que adoro:

“Nem sempre faço o que é melhor pra mim, mas nunca faço o que eu não tô a fim de fazer”

“Se o que eu digo não faz sentido, não faz sentido ficar ouvindo”

“Diga a verdade, doa a quem doer, doe sangue e me dê seu telefone”

“O teu maior defeito talvez seja a perfeição, tuas virtudes talvez não tenhas solução”

“Às vezes nunca sei se “às vezes” leva crase, às vezes nunca sei em que ponto acaba a frase”

“A dúvida é o preço da pureza e é inútil ter certeza”

“Somos quem podemos ser, sonhos que podemos ter”

“Todos iguais, mas uns mais iguais que os outros”

“Há um muro de concreto entre nossos lábios, há um muro de Berlim dentro de mim”

“A medida de amar é amar sem medida”

“Nem tão longe que eu não possa ver, nem tão perto que eu possa tocar”

“É preciso fé cega e pé atrás, olho vivo, faro fino, e tanto faz”

“Não vá perder a hora certa com a pessoa errada, diga adeus, ou não diga nada”

“Não quero perder a razão
Pra ganhar a vida
Nem perder a vida
Pra ganhar o pão
Não é que eu faça questão de ser feliz
Eu só queria que parassem
De morrer de fome a um palmo do meu nariz”

“Quem constrói a ponte não conhece o lado de lá”

“Nossos sonhos são os mesmos há muito tempo, mas já não há mais muito tempo pra sonhar”

“Já lhe fizeram sofrer demais
Já lhe fizeram feliz demais
Tá na hora de você mesma fazer
Algo por você
Só você pode fazer”

“Você sabe,
O que eu quero dizer não tá escrito nos outdoors
Por mais que a gente cante
O silêncio é sempre maior”

“Às vezes não entendo onde você quer chegar quando fica parada”

“você que tem idéias tão modernas
é o mesmo homem que vivia nas cavernas”

“Quanto vale a vida de qualquer um de nós?
?quanto vale a vida em qualquer situação?
?quanto valia a vida perdida sem razão?
?num beco sem saída, quando vale a vida?
são segredos que a gente não conta
são contas que a gente não faz
quem souber quanto vale, fale em alto e bom som”

“Não vou agora, não: não quero te encontrar
Preciso me perder como preciso de ar
Perder o rumo é bom se perdido a gente encontra
Um sentido escondido em algum lugar
Devolva-me o que você levou… ou
Leve-me contigo: perca-se comigo”

“Hoje eu acordei mais leve (nem li o jornal)
Tudo deve estar suspenso… nada deve pesar
Já vivi tanta coisa, tenho tantas a viver
Tô no meio da estrada e nenhuma derrota vai me vencer”