Neste dia 24 de junho, comemoramos aqui no Brasil, em especial na região nordeste, o Dia de São João (Batista, primo de Jesus, e não o Evangelista e apóstolo).

A comemoração faz parte do ciclo de festas dedicadas aos santos do mês de junho: além de São João, também se celebra o dia de Santo Antônio e de São Pedro. Nordestino, sempre considerei as Festas Juninas (ou, simplesmente, o ” São João”)  a festa mais importante do ano, ou ao menos, a que mais gosto, superando, inclusive, carnaval e as festas natalinas.

Na minha infância e adolescência, dancei quadrilha, comi muita comida de milho, soltei bombas e foguetes, vesti roupa típica de matuto, frequentei palhoções (no interior de Alagoas e em Maceió), fui aos famosos São João de Campina Grande e de Caruaru, etc. Lembro que aqui em Maceió, quase toda casa tinha uma fogueira acesa e em quase todo bairro havia um palhoção, uma construção rústica, de madeira, coberta (pois sempre chove nesta época), onde as pessoas se reuniam para dançar forró e dançar quadrilha.

Que pena que esta tradição está se perdendo: hoje em dia, as fogueiras quase não são acesas e os palhoções de bairros estão se acabando, dando lugar a grandes estruturas. Por sorte, as escolas (públicas e privadas) tentam manter viva esta tradição.

Como diz a música Boca do Balão, cantada por Elba Ramalho:

“Na cidade grande
Por mais que eu ande
Ainda me espanto
Quando ouço uma explosão
Lá no interior sempre era São João
Lá no interior sempre era São João
Viva São João
Meu carneirinho
Como te esperei
Ano inteirinho
Ao pé da fogueira
Madeira, velame
Que o nosso amor inflame a noite inteira
Rasteiro ou no chão
A gente se esquenta
E arrebenta a boca do balão”

O que pouca gente aqui no Brasil sabe é que a Festa de São João é bastante comemorada em outros países. Em vários lugares do planeta, a Festa de São João, religiosa, mistura-se com uma festa pagã: a chegada do solstício de verão.  Lembro que em 2009, passei o Dia de São João em Alicante na Espanha, e lá havia muita festa, com direitos a fogos, fogueira e tudo. Fomos todos à praia, onde bebíamos em homenagem à chegada do verão na Europa.

Abaixo, alguma explicações sobre a origem destas festas: no Brasil e no exterior.

“Existem duas explicações para o termo festa junina. A primeira explica que surgiu em função das festividades ocorrem durante o mês de junho. Outra versão diz que está festa tem origem em países católicos da Europa e, portanto, seriam em homenagem a São João. No princípio, a festa era chamada de Joanina. De acordo com historiadores, esta festividade foi trazida para o Brasil pelos portugueses, ainda durante o período colonial (época em que o Brasil foi colonizado e governado por Portugal).  Nesta época, havia uma grande influência de elementos culturais portugueses, chineses, espanhóis e franceses. Da França veio a dança marcada, característica típica das danças nobres e que, no Brasil, influenciou muito as típicas quadrilhas. Já a tradição de soltar fogos de artifício veio da China, região de onde teria surgido a manipulação da pólvora para a fabricação de fogos. Da península Ibérica teria vindo a dança de fitas, muito comum em Portugal e na Espanha.  Todos estes elementos culturais foram, com o passar do tempo, misturando-se aos aspectos culturais dos brasileiros (indígenasafro-brasileiros e imigrantes europeus) nas diversas regiões do país, tomando características particulares em cada uma delas.  

Festas Juninas no Nordeste 

Embora sejam comemoradas nos quatro cantos do Brasil, na região Nordeste as festas ganham uma grande expressão. O mês de junho é o momento de se fazer homenagens aos três santos católicos: São João, São Pedro e Santo Antônio. Como é uma região onde a seca é um problema grave, os nordestinos aproveitam as festividades para agradecer as chuvas raras na região, que servem para manter a agricultura. Além de alegrar o povo da região, as festas representam um importante momento econômico, pois muitos turistas visitam cidades nordestinas para acompanhar os festejos. Hotéis, comércios e clubes aumentam os lucros e geram empregos nestas cidades. Embora a maioria dos visitantes seja de brasileiros, é cada vez mais comum encontrarmos turistas europeus, asiáticos e norte-americanos que chegam ao Brasil para acompanhar de perto estas festas. 

Comidas típicas 

Como o mês de junho é a época da colheita do milho, grande parte dos doces, bolos e salgados, relacionados às festividades, são feitos deste alimento. Pamonha, cural, milho cozido, canjica, cuzcuz, pipoca, bolo de milho são apenas alguns exemplos.  Além das receitas com milho, também fazem parte do cardápio desta época: arroz doce, bolo de amendoim, bolo de pinhão, bombocado, broa de fubá, cocada, pé-de-moleque, quentão, vinho quente, batata doce e muito mais.

Tradições

As tradições fazem parte das comemorações. O mês de junho é marcado pelas fogueiras, que servem como centro para a famosa dança de quadrilhas. Os balões também compõem este cenário, embora cada vez mais raros em função das leis que proíbem esta prática, em função dos riscos de incêndio que representam.No Nordeste, ainda é muito comum a formação dos grupos festeiros. Estes grupos ficam andando e cantando pelas ruas das cidades. Vão passando pelas casas, onde os moradores deixam nas janelas e portas uma grande quantidade de comidas e bebidas para serem degustadas pelos festeiros. Já na região Sudeste são tradicionais a realização de quermesses. Estas festas populares são realizadas por igrejas, colégios, sindicatos e empresas. Possuem barraquinhas com comidas típicas e jogos para animar os visitantes. A dança da quadrilha, geralmente ocorre durante toda a quermesse. Como Santo Antônio é considerado o santo casamenteiro, são comuns as simpatias para mulheres solteiras que querem se casar. No dia 13 de junho, as igrejas católicas distribuem o “pãozinho de Santo Antônio”. Diz a tradição que o pão bento deve ser colocado junto aos outros mantimentos da casa, para que nunca ocorra a falta. As mulheres que querem se casar, diz a tradição, devem comer deste pão.” http://www.suapesquisa.com/musicacultura/historia_festa_junina.htm

Por sua vez, segundo o wikipedia:

“La Noche de San Juan es una festividad de origen pagano, no muy antiguo que suele ir ligada a encender hogueras o fuegos, ligada con las celebraciones en la que se festejaba la llegada del solsticio de verano, pese a que éste es el 21 de junio, en el hemisferio norte, cuyo rito principal consiste en encender una hoguera. La finalidad de este rito era “dar más fuerza al sol”, que a partir de esos días, iba haciéndose más “débil” —los días se van haciendo más cortos hasta el solsticio de invierno—. Simbólicamente el fuego también tiene una función “purificadora” en las personas que lo contemplaban. Se celebra en muchos puntos de Europa, aunque está especialmente arraigada en EspañaPortugal (Fogueiras de São João), Noruega (Jonsok),Dinamarca (Sankthans), Suecia (Midsommar), Finlandia (Juhannus), Estonia (Jaanipäev) y Reino Unido (Midsummer). En América Latina, Brasil tiene Festas Juninas, en BoliviaChileEcuadorParaguayPerúVenezuela y Puerto Rico, la noche de San Juan. La noche de San Juan está, así mismo, relacionada con antiquísimas tradiciones y leyendas españolas como laLeyenda de la Encantada.

En muchos lugares no cabe duda de que las celebraciones actuales tienen una conexión directa con las celebraciones de la antigüedad ligadas al solsticio de verano, influidas por ritos pre-cristianos o simplemente vinculados a los ciclos de la naturaleza. Sin embargo, en otros lugares (por ejemplo España y Portugal) la existencia de una vinculación entre las celebraciones del solsticio de verano (en el hemisferio norte) que tiene lugar el 20-21 de junio y las celebraciones del día de San Juan (el 24 de junio) varían en función de las fechas, la discontinuidad en la celebración, las tradiciones y costumbres, etc. Pese a ello, se observan elementos comunes como es la realización de hogueras en las calles y plazas de las poblaciones donde se reúnen familiares y amigos. La vinculación de los ritos ligados al solsticio de verano con otra celebración popular y bastante extendida del mes de junio, las «verbenas de San Pedro» (el 29 de junio), resulta aún menos clara.”

Sobre a festa de San Juan na Espanha:

“Es una festividad muy antigua se celebra en toda España y  en algunos puntos de Europa  tales como en Portugal (fogueiras de San Joao), Reino Unido, Dinamarca, y todos los países Escandinavos, por supuesto en toda América, tradiciones que exportaron los Españoles en la colonización. Antes se celebraba el día 21 de Junio, que es realmente la noche más corta del año, pero la iglesia Católica decidió cambiar la celebración por considerar esa fecha de orígenes paganos, se dice que está relacionado con San Juan bautista y el 21 de Junio porque al parecer nació por esas fechas. Así que se celebra en España la noche del 23 al 24 de Junio. Su origen es muy lejano en el tiempo y cada comunidad española lo denomina en sus diferentes lenguas, aunque en todas tenga el mismo significado” (http://redesdelmisterio.wordpress.com/2010/06/18/la-noche-magica-de-san-juan-el-solsticio-de-verano/)

A festa pagã

Festa de São João em Helsinque (Finlândia)

File:Seurasaari-2005-johannus2.jpg

Summer Solstice Festivities on the night of San Juan 6

Anúncios