Em outras oportunidades, inclusive aqui mesmo no blog, já disse que considero Barcelona a melhor cidade da Europa, pois embora talvez não seja a mais bonita, a com mais história, a com mais cultura, a mais divertida, etc, tem notas altíssimas em todos estes quesitos, o que lhe dá a média mais elevada entre as cidades de Velho Continente.

Tive a oportunidade de passar um temporada em Barcelona, onde constatei o que já supunha: a cidade é maravilhosa para seus moradores, não só para os turistas. Barcelona tem um ótimo urbanismo, com ruas largas, bem traçadas, árvores, sistema de transporte eficiente, ciclovias, ótima limpeza, etc.

A preocupação de Barcelona com o urbanismo é antiga: depois que a cidade ultrapassou as muralhas medievais, resolveu crescer de forma planejada, tendo adotado, no século XIX, o Plano Cerdá, com quadras regulares, traçadas como um tabuleiro de xadrez (vide imagem abaixo). Nasce aí o bairro do Eixample, que vai do mar à montanha, criando um espaço que até hoje, 150 anos depois, a todos impressiona.

Para se ter ideia da revolução criada, vejam a foto abaixo: do lado esquerdo, o Eixample, bairro planejado, do lado direito, um dos bairros medievais, com traçado tortuoso.

Quando fui procurar um lugar para morar em Barcelona, fiz questão de escolher o Eixample, apesar de ser um pouco mais caro. Vale lembrar que Barcelona não é tão cara como outras cidades europeias, como Londres e Paris (agora com a crise, os preços estão ainda mais conta).

O bairro do Eixample tem duas grandes avenidas (Avinguda Diagonal e Gran Vía de los Corts Catalanes): a primeira, como o nome indica, corta as quadras do Eixample na diagonal, e a segunda, conduz a cidade de um lado ao outro, sendo paralela ao Mediterrâneo. Além destas avenidas, há diversas ruas, as Carrers em catalão, e dois passeios, avenidas mais largas com muitas árvores e calçadas: o Passeig de Grácia e o Passeig de San Joan.

O Passeig de Gràcia, que vai da Praça da Catalunha até o bairro de Gràcia, é a rua mais elegante e cara de Barcelona: lá estão as lojas mais chiques, os melhores hotéis e restaurantes. O outro “passeio”, o Passeig de San Joan, não é tão badalado, mas também é muito bem localizado. Para minha sorte, encontrei um apartamento para alugar exatamente lá.

Na foto abaixo, vejam as Avenidas Diagonal e Gran Vía, além das Carrers e Passeigs de Barcelona:

O Passeig de San Joan (ou Paseo de San Juan) foi construído em 1795 e se estende a partir do Arco do Triunfo, logo após o Parque da Cidadela e sobe até o bairro de Gràcia, e uma extensão de cerca de 2 quilômetros. Ultimamente, o Passeig de San Joan passou por uma grande reforma, o que melhorou ainda mais a já ótima infraestrutura da avenida, que passou a contar com ótimas ciclovias, play grounds e áreas exclusivas para pedestres. Outra coisa que chama a atenção é a preocupação com os mais idosos, que são muitos nesta região do planeta.

Caetano Veloso, para recordar sua São Paulo, canta que “Alguma coisa acontece no meu coração, que só quando cruzo a Ipiranga com a Avenida São João”. Eu sempre lembrava desta música quando cruzava a Diagonal com o Passeig San Joan (próxima foto abaixo): quando estava no meio do cruzamento,  olhava para a esquerda e via um outdoor com uma coruja e a Sagrada Família ao fundo, obra prima de Gaudí. De fato, esta rua/avenida é meu lugarzinho em Barcelona.

Anúncios