Ano: 1966. Liga universitária de basquete dos Estados Unidos.

Pela primeira vez na história, uma equipe formada majoritariamente por negros disputa a final. É o time da Texas Western, os Miners. Não precisa nem dizer a discriminação que sofreram. Tudo isto foi muito bem retratado no bom filme “Estrada para a glória” (2006).

Baseado em uma história real, este filme é um ótimo retrato de um tenebroso período da vida dos EUA, onde a discriminação racial era algo de beirava o absurdo. O filme mostra a trajetória vitoriosa de uma equipe formada por 7 negros e 5 brancos: além do preconceito externo, a equipe tinha que conviver com a desconfiança entre os próprios jogadores que, comandados por um treinador com visão, conseguem superar as desavenças, descrenças e intolerâncias, para conseguirem entrar para a história do esporte nos Estados Unidos.

Coincidentemente, assisti este filme na mesma semana em que, no Brasil, é comemorado o aniversário de 90 anos do primeiro título carioca do Vasco da Gama, equipe que, nos anos 20, também enfrentou o preconceito racial e social, pois tinha em seu grupo vários atletas negros, mulatos e operários. Certamente, esta conquista do Vasco daria um ótimo filme.