Dentre os milhões de turistas que visitam a Sicília todos os anos, a maioria esmagadora aproveita para conhecer os destinos mais famosos como Palermo, Taormina, Agrigento e Siracusa. Quando resolvi visitar a linda ilha italiana, também tinha em mente visitar as citadas cidades. Para minha sorte, no deslocamento de carro entre Palermo e Taormina, resolvi pegar a estrada do litoral. Embora fosse inverno, as temperaturas não baixavam de 10°C. Além disto, em nenhum dos três dias que passei na Sicília choveu, mesmo em se tratando do mês de janeiro.

Disse que tive sorte ao escolher a rota do litoral porque no caminho estava Cefalù (a 66 km de Palermo, de onde se chega através de uma estrada duplicada). Já tinha lido um pouco sobre a cidadezinha à beira-mar do Mediterrâneo, mas uma coisa é ler, outra é ir. O que mais me chamou a atenção nesta pequena cidade foi o fato de que raramente vemos vilas medievais junto à praia. Minha noção de vila medieval é associada ao campo, às montanhas. Cefalù é um conjunto de casas e ruelas medievais que se debruçam sobre o Mediterrâneo.

Entre o casario bem preservado e uma enorme rocha (La Rocca) se encontra a cereja do bolo: o Duomo, uma belíssima igreja construída em 1131. Em seu interior, um belíssimo mosaico de Cristo. Eu e minha esposa aproveitamos o belo dia de sol para tomarmos um capuccino e comermos um panino na praça central da cidade, apreciando o movimento das pessoas e a bela paisagem. Se Cefalù é bom no inverno, imaginem no verão.