Capa

Mais um importante veículo da imprensa especializada em turismo presta reconhecimento ao projeto “Viagem Cultural”. Desta vez foi a prestigiada Revista Turismo & Negócios, dirigida pelo jornalista Antônio Noya (que, com sua presença, abrilhantou o grupo da 3ª edição da viagem). Aproveito a oportunidade para agradecer o Noya. Abaixo, na íntegra, o texto publicado, assim como as fotos que ilustram a matéria de capa da revista:

NO VELHO CONTINENTE

3ª Viagem Cultural redescobre a Europa

Criada em 2012, excursão percorre 11 países, mais de 20 cidades e 7 universidades seculares

Que tal aliar turismo e diversão a muita história e cultura? Que tal conhecer os hábitos, os costumes e o dia a dia da população nos países visitados e também vivenciá-los? Melhor ainda: que tal percorrer as cidades européias com um olhar focado na cultura, tentando descobrir o significado de cada monumento, palácio ou paisagem para a evolução histórica do mundo? Essa experiência foi compartilhada por um grupo de 60 pessoas, entre alagoanos, sergipanos, pernambucanos, paulistas e brasilienses, participantes da 3ª Viagem Cultural à Europa.De iniciativa do professor de Direito (UFAL e CESMAC) e procurador de Estado, Fábio Lins de Lessa Carvalho, o projeto Viagem Cultural, criado em 2012, vem sendo apoiado e viabilizado pela agência Transamérica Turismo.

Somadas as três edições da “Viagem Cultural”, mais de 200 pessoas (sendo a maioria absoluta de alagoanos) já participaram das excursões que percorreram 11 países europeus, mais de 20 cidades e 7 universidades seculares, no caso, Coimbra, Salamanca, Sorbonne, Oxford, Montpellier, Bolonha e Heildelberg.

“O foco inicial das primeiras edições do projeto era conhecer a história e o legado das principais universidades européias. Neste ano, priorizamos atividades culturais ligadas à história, às instituições e aos costumes da sociedade européia”, resumiu Lins.

Poliglota, Fabio Lins estudou inglês em Londres, espanhol em Barcelona e alemão em Munique. Após dois anos residindo em Salamanca (Espanha), onde concluiu o doutorado em Direito, o professor alagoano procurou conciliar suas maiores paixões, cultura e viagens, lançando a proposta da Viagem Cultural à Agência Transamérica Turismo, o que foi prontamente aceito, e criando um blog sobre o assunto (culturaeviagem.wordpress.com).

Resultado: na edição deste ano, o projeto Viagem Cultural à Europa visitou 12 cidades históricas: Lisboa (Portugal), Praga e Karlov Vary (República Tcheca), Nuremberg, Heidelberg e Colônia (Alemanha), Haia e Amsterdam (Holanda), Antuérpia, Bruges e Bruxelas (Bélgica) e, finalmente, Paris (França).

Em todas as cidades do roteiro (exceto em Antuérpia, onde houve apenas uma rápida parada), o grupo realizou 11 tours na companhia de guias nativos. Detalhe importantíssimo: todos falando português.

“A qualidade dos guias foi algo que chamou a atenção de todos. Como se esquecer do Ivan, guia tcheco mal humorado, mas extremamente culto, com diversas formações acadêmicas? E da Vera, guia holandesa, com uma ironia fina e sotaque único? Ludmila, guia portuguesa supersimpática e íntima de Dom Pedrinho? Tudo isto sem esquecer do nosso querido Vicente, guia geral da viagem”, relata Fábio Lins em seu blog.

Em cada cidade e em cada monumento, o eclético grupo que realizou a excursão – formado por profissionais e estudantes dos mais diversos segmentos – recebeu verdadeiras aulas de história, sociologia, geografia, economia, idiomas, direito, gastronomia, costumes, dentre outras áreas do conhecimento.

A comparação de preços entre as cidades, por exemplo, revelava o custo de vida entre os países. Perguntas prosaicas sobre condições de vida, transporte, violência urbana, alimentação da população e curiosas expressões idiomáticas eram recorrentes junto aos guias, até como forma de comparação com os hábitos e costumes brasileiros e alagoanos.

“Não dá para esquecer, por exemplo, como se diz “casaco” e “água” em tcheco!!!”, relembra, em tom jocoso, Fábio Lins.

A excursão teve como destaque o tour cultural em Nuremberg, que enfatizou a relação da cidade com o nazismo e o histórico julgamento dos militares e civis nazistas no Palácio de Justiça; em Heidelberg, onde o grupo manteve contato com a tradição acadêmica da cidade; Bruxelas, diante de sua posição como capital da União Européia; e Haia como capital jurídica do mundo, onde estão sediados a Corte Internacional de Justiça, entre outros tribunais internacionais. 

Nas cidades de Colônia, a catedral em estilo gótico datada de 1248 e que levou mais de 600 anos para ser concluída; em Praga, situado numa colina, o maior castelo do mundo, erguido no século IX; em Bruges, cidade medieval que possui um belíssimo centro histórico e que permaneceu abandonada por mais de 300 anos; em Bruxelas, a Grand Place (considerada a praça mais bonita do mundo); e em Amsterdam, os canais que recortam a histórica cidade e onde o grupo realizou um passeio de barco para degustação de vinhos e queijos.

 

Também encantou o grupo a visita à universidade de Heidelberg; ao Museu do Louvre; às termas de Karlov Vary; à Torre de Belém, em Lisboa, entre outros. 

“Uma viagem como esta nos ajuda a ampliar os horizontes, a pensar como podemos melhorar o lugar em que vivemos e porque as diferenças entre o nosso país e a Europa são tão gritantes. É uma das maiores e melhores experiências que o ser humano pode vivenciar. Por tudo isso, é uma imensa satisfação pessoal estar envolvido em um projeto tão sublime como este, especialmente por proporcionar momentos inesquecíveis aos alagoanos, que vêm provando que, ao contrário do que se costuma divulgar por aí, também se interessam por atividades culturais. O que falta muitas vezes é o devido incentivo”, finalizou Fábio Lins.

Catedral de Colônia
A cidade alemã de Colônia possui uma igreja em estilo gótico cuja construção começou em 1248 e levou mais de 600 anos para ser completada. As duas torres possuem 157 metros de altura e era o prédio mais alto do mundo, quando foi concluída em 1880. 

Apesar de ter recebido 14 ataques aéreos na Segunda Guerra Mundial, o monumento não ruiu. Segundo a tradição, no interior da catedral está guardado o relicário de ouro com os restos mortais dos Três Reis Magos Baltazar, Melchior e Gaspar.

Termas de Karlov Vary
Karlov Vary é uma cidade termal situada na República Checa, assim chamada depois que o imperador Carlos IV fundou a cidade na década de 1370. Famosa pelas suas termas, Karlov Vary é uma cidade rica e destino para muitas celebridades por causa de sua beleza arquitectónica. 

Até a sua expulsão em 1945, a maioria de habitantes desta cidade falava alemão. A cidade, que foi cenário de vários filmes, como 007 – Cassino Royale, é conhecida pela qualidade de seus cristais.

Castelo de Praga 
O imponente Castelo de Praga foi erguido numa colina, que há séculos domina a paisagem na cidade de Praga, capital da República TCheca. Foi fundado no século IX e atualmente serve como a residência presidencial. Foi habitado pelos mais importantes reis da Boêmia. 

O Castelo de Praga ocupa uma área superior a 72,5 mil m². Por causa disso é considerado, conforme o Guinness World Records Book, o maior castelo do mundo.

Nuremberg
Nuremberg é uma cidade independente alemã. Sofreu enorme destruição durante a Segunda Guerra Mundial, mas teve a maioria das construções medievais reconstruídas a partir de planos originais existentes desde a Idade Média. Até hoje o centro histórico é rodeado pela antiga muralha com uma extensão de 4 km. 

A cidade tornou-se sede oficial dos Comícios do Partido Nazista, ganhando ampla área de desfile projetada pelo arquiteto Albert Speer. A cidade tornou-se símbolo da derrota nazista com o julgamento dos subordinados militares e civis de Hitler. 

Haia

A cidade de Haia guarda em si uma característica singular. Apesar de ser de fato a sede do governo holandês, não é oficialmente a capital dos Países Baixos, pois, de acordo com a constituição do país, a capital é Amsterdam. 

Além do gabinete do rei, a cidade sedia a Suprema Corte e o Parlamento holandês, quatro tribunais internacionais (dentre eles a Corte Internacional de Justiça), o Instituto Europeu de Patentes, a Europol, a Organização das Nações e Povos Não Representados (UNPO), a Organização para a Proibição de Armas Químicas (OPAQ), entre outros. A presença dos tribunais garantiu à cidade o título de “a capital jurídica do mundo”.

Heidelberg
A cidade alemã de Heidelberg é mundialmente conhecida por sediar a Universidade de Heidelberg (a mais antiga da Alemanha), fundada em 1386 por Ruprecht I. Ainda hoje é reconhecida pelo ensino e pesquisas na área de Medicina. 

A cidade foi também um dos centros da Reforma Protestante, tendo acolhido Martinho Lutero em 1518. Um ponto turístico importante é o Castelo de Heidelberg.

 

Paris
Tudo o que contam sobre Paris é verdade. Habitada por 2,3 milhões de pessoas, a capital da França não foi presenteada com belezas naturais, como o Rio de Janeiro ou Veneza, por exemplo. Mas seu conjunto arquitetônico, o charme de suas ruas e avenidas e seus imponentes monumentos lembram ao turista, a todo momento, que ele está diante de parte do que melhor o ser humano foi capaz de construir – e preservar. 

Restringindo-se ou não ao clássico circuito Louvre-Torre Eiffel-Arco do Triunfo-Champs Elysées, a pé, de metrô ou de bicicleta, o que não faltam são locais tradicionais ou novos para conhecer. Paris surpreende em cada esquina, cada pequeno café, cada impecável bulevar.

Lisboa
A Torre de Belém é um dos monumentos mais expressivos – e mais visitados – da cidade de Lisboa. Erguida sobre um afloramento rochoso nas águas do rio Tejo, a torre era cercada por águas em todo o seu perímetro. Com o movimento das marés, na antiga praia de Belém, a torre foi progressivamente envolvida pela praia, até se incorporar hoje à terra firme. 

A fortificação integrava o plano defensivo da barra do rio Tejo por volta de 1495, sendo utilizada como registro aduaneiro, posto de sinalização telegráfico, farol e masmorra para presos políticos.

Amsterdam
Amsterdam ou Amsterdã é uma das pequenas cidades mais extraordinárias do mundo. Desde os seus canais até aos mundialmente conhecidos museus e atrações históricas, Amsterdã é uma das cidades mais românticas e encantadoras da Europa. 

É também conhecida como uma cidade tolerante e diversificada. Tem todas as vantagens de uma grande cidade – cultura, vida noturna, restaurantes de renome internacional, bons meios de transporte – e uma qualidade inerente a pequenas cidades: trata-se de um local calmo, grande parte devido aos seus canais e ao reduzido tráfico rodoviário.

Bruges
Bruges é uma cidade medieval conhecida como a “Veneza do Norte” por causa dos inúmeros canais que a cercam e a entrecortam. Diversos passeios de barco são oferecidos aos turistas, alguns dos quais permitindo chegar até mesmo às cidades vizinhas. Bruges apresenta ainda as ruínas de uma fortaleza, bem como moinhos às margens dos canais. 

Além da arquitetura, são os outros tradicionais produtos belgas, como o chocolate e a cerveja do país, que estão entre os melhores do mundo. Inúmeras chocolaterias disputam o paladar dos turistas, e uma fábrica de cerveja artesanal o sabor de quem gosta do produto.

 

Bruxelas
Apesar de ser a capital da União Européia, Bruxelas nunca teve status de roteiro obrigatório nos passeios ao continente. Quem a visita faz descobertas que tornam a capital belga um passeio imperdível. A maior atração turística da cidade é a Grand Place. Rodeada de prédios históricos remanescentes dos séculos 15 e 16, possui um mercado de flores pelo chão e dezenas de restaurantes com mesas nas ruas.

A sede da prefeitura da cidade é um encanto para os olhos e os sentidos. Outros encantos são os wafles belgas servidos com diversos tipos de coberturas, as batatinhas fritas e a trufa de chocolate belga”. (fonte: http://www.revistaturismoenegocios.com/materia.php?c=762)

Anúncios