Hoje, 5 de outubro de 2014, mais de 140 milhões de eleitores vão às urnas para escolher nossos representantes, inclusive para aquele que vai chefiar a Presidência da República. Você sabia que a primeira eleição para Presidente no Brasil o povo não votou diretamente? E que, na época, votava-se para Presidente e para Vice separadamente, e que os eleitos podiam ser adversários? E que o Presidente e o Vice-Presidente eleitos eram alagoanos e adversários políticos? Vale a pena conhecer estes fatos que fazem parte da nossa história:

“Com a Proclamação da República do Brasil em 15 de novembro de 1889, um Governo Provisório liderado por Deodoro da Fonseca, o proclamador da República, assumiu a Presidência. Embora a Constituição de 1891 determinasse que o Presidente da República fosse eleito diretamente pelo povo, as suas disposições transitórias previam que, para o primeiro período presidencial, o Presidente fosse eleito pelo Congresso Constituinte, logo após promulgada a Constituição. Tal dispositivo já fora previsto no artigo 62 do chamado “Regulamento alvim”, o Decreto de 23 de junho de 1890, que dispunha: “Aos cidadãos eleitos para o primeiro Congresso, entendem-se conferidos poderes especiais para exprimir a vontade nacional acerca da Constituição publicada pelo Decreto nº 510, de 22 de junho do corrente, bem como para eleger o primeiro presidente e o vice-presidente da República”

Na eleição, os candidatos disputavam a presidência e a vice-presidência de forma separada. O mesmo candidato a presidente poderia disputar a vice-presidência. Na primeira eleição presidencial do Brasil, apresentaram-se os seguintes candidatos a presidente:

– o marechal Manuel Deodoro da Fonseca, proclamador da República e chefe do Governo Provisório desde 15 de novembro de 1889, apoiando o almirante Eduardo Wandenkolk para vice-presidente;

– o senador Prudente José de Morais e Barros, representando o Partido Republicano Paulista, apoiando o marechal Floriano Peixoto para vice-presidente;

– o marechal Floriano Vieira Peixoto, que disputou também a vice-presidência;

– o republicano histórico Joaquim Saldanha Marinho.

Havia dois principais candidatos que disputaram a vice-presidência: o almirante Eduardo Wandenkolk, pela situação, e o marechal Floriano Peixoto, pela oposição.

Votação e resultados

As eleições efetuaram-se em 25 de fevereiro de 1891. A eleição foi de determinada forma tensa, devido o encilhamento, política econômica do Governo Provisório de Deodoro que resultou em crise. Prudente de Morais tinha a maioria a seu favor, mas os militares ameaçaram os paralmentares, e os forçaram a votarem em Deodoro. Terminada a apuração dos votos, o parlamentar Antônio Eusébio anunciou: “Está eleito Presidente da República dos Estados Unidos do Brasil o sr. Manuel Deodoro da Fonseca”. Apesar de Deodoro ter vencido a eleição, para vice foi eleito Floriano Peixoto, e assim, o governo ficou com um representante da situação (Deodoro) e um da oposição (Floriano), mesmo sendo a oposição maior, o que levou a renúncia de Deodoro oito meses depois.”

Eleição para presidente do Brasil em 1891
Candidato Votos Porcentagem
Manuel Deodoro da Fonseca 129 55,13%
Prudente José de Morais e Barros 97 41,45%
Floriano Vieira Peixoto 3 1,28%
Joaquim Saldanha Marinho 2 0,85%
Voto em branco 2 0,85%
José Higino Duarte Pereira 1 0,42%
Total de congressistas presentes 234
Total de congressistas ausentes 34
Eleição para vice-presidente do Brasil em 1891
Candidato Votos Porcentagem
Floriano Vieira Peixoto 153 65,38%
Eduardo Wandenkolk 57 24,36%
Prudente José de Morais e Barros 12 5,13%
Coronel Piragibe 5 2,14%
José de Almeida Barreto 4 1,71%
Voto em branco 2 0,85%
Custódio de Mello 1 0,42%
Total de congressistas presentes 234
Total de congressistas ausentes 34

Fonte: wikipedia.

Anúncios