Alguém tem ideia do número de turistas que a Europa recebe por ano? Segundo o jornal The Guardian, em 2014 foram mais de 588 milhões:

Segundo a reportagem citada, há um verdadeiro:

apogeu no turismo internacional, promovido pela recém-adquirida prosperidade dos gigantes do G-20, que confundiu as previsões de crescimento moderado no rastro da crise financeira global. Segundo a Organização Mundial de Turismo da ONU (UNWTO, em inglês), os desembarques superaram a média de longo prazo ano após ano, de cinco anos para cá. Em 2014, o tráfego internacional de turistas cresceu 4,7%, acima da previsão máxima dos analistas da ONU. 

Tal inundação de humanidade espalhando-se pelo planeta levanta muitas questões. Os desafios ambientais já foram extensamente discutidos. Mas há outros relacionados à equidade e discriminação que até agora quase não foram abordados. Em números absolutos, a Europa é de longe o principal destino: 588 milhões de turistas cruzaram suas fronteiras internacionais em 2014. Mas o aumento desse volume é um fenômeno global. ” (fonte: http://www.cartacapital.com.br/revista/868/a-outra-invasao-3897.html)

Em relação a este imenso número de turistas, o país mais visitado da Europa (e do mundo) é a França, que recebeu 83,7 milhões de visitante em 2014 (fonte: http://www.correiobraziliense.com.br/app/noticia/turismo/2015/04/19/interna_turismo,479867/franca-lidera-destinos-mais-visitados-em-2014-com-84-milhoes-de-turistas.shtml). A título de comparação, o Brasil recebeu 6,5 milhões, ou seja, menos de 10% da marca atingida pela França.

Curiosamente, Paris não é a cidade com mais turistas, e sim Londres. Em 2015, calcula-se que a capital inglesa recebeu cerca de 19 milhões de visitantes. Sobre este fato:

Com a expectativa de atender a quase 19 milhões de visitantes internacionais em 2015, Londres, na Inglaterra, ocupa novamente o topo do ranking Global Destinations Cities Index, que analisa os dados turísticos das 132 cidades mais visitadas no mundo. Organizado pela Master Card, esta é a quinta edição do ranking, que colhe dados das organizações de turismo de diversas cidades ao redor do mundo e os contabiliza junto às informações fornecidas pelo Escritório de Estatísticas de Passageiros Internacionais. Para o prefeito Boris Johnson, a cidade de Londres tem potencial para continuar surpreendendo cada vez mais seus visitantes. “Estou muito orgulhoso do marco atingido por nossa cidade. Agora devemos celebrar mais um ano de recordes nos números turísticos”, disse Johnson.

Além de Londres, outras duas cidades da Europa e duas da Ásia fazem parte das cinco com o maior número de visitantes aguardados em 2015: Bangkok (18 milhões), Paris (16 mi), Dubai (14 mi) e Istambul (12 mi).

Dentre as 132 cidades do Global Destinations Cities Index são esperados 383 milhões de pernoites de turistas internacionais, representando um gasto de quase US$360 bilhões durante o ano de 2015. “Esse estudo nos ajuda a entender o quanto o mundo está conectado, e como isso representa o crescente número de pessoas viajando pelo planeta”, disse a presidente de Mercados Internacionais da Master Card, Ann Caims. ” (fonte: http://www.panrotas.com.br/noticia-turismo/destinos/no-topo-londres-recebera-19-milhoes-de-turistas-em-2015_115125.html)

Também é interessante destacar que mesmo diante da crise econômica em boa parte do planeta e do risco do terrorismo, o turismo na Europa cresceu em 2015, tendo registrado a mais alta taxa de crescimento entre todos os continentes, conforme se pode verificar no artigo abaixo transcrito:

Europa é o continente mais procurado por turistas

O aumento de 4% nos primeiros oito meses de 2015, no fluxo de chegadas de turistas internacionais, revela que turismo é um fenómeno com um crescimento sustentado em todo o mundo. Os dados apresentados pela Organização Mundial do Turismo (OMT), revelam ainda que entre Janeiro e Agosto de 2015 viajaram 810 milhões de pessoas, mais 33 milhões que em igual período de 2014.

A Europa é a região do globo mais visitada, uma tendência que regista um crescimento de 5% nas chegadas de turistas internacionais. Este resultado é superior às taxas crescimento na ordem dos 4% registados no Continente Americano, Médio Oriente, Ásia e Pacifico. Em sentido inverso, o Continente Africano apresentou um decréscimo de 5% no número de turistas internacionais que visitam aquela região.

Embora estes dados sejam uma boa notícia para o sector do turismo, os fluxos turísticos foram condicionados pelas flutuações das taxas cambiais, sendo este factor o principal elemento impulsionador e simultaneamente condicionador nas escolhas dos destinos turísticos.

Uma análise mais refinada aos dados agora divulgados pela OMT, apresentam a China como um forte mercado emissor de turistas para fora das suas fronteiras, cuja taxa de crescimento atingiu os dois dígitos. Outros mercados emergentes como a Índia, África do Sul ou o Egipto também apresentam taxas de crescimento de dois dígitos em consumos turístico. Já a Federação Russa e o Brasil são mercados que estão ser penalizados pelas fracas performances das suas economias, que se reflectem na redução das suas disponibilidades turísticas.

Os valores animadores apresentados são para o Secretário-Geral da OMT, “uma boa notícia para todos, como o sector contribui cada vez mais para a criação de postos de trabalho, estimulando o comércio e o investimento, melhorando as infra-estruturas e promovendo o crescimento económico inclusivo. É uma realidade mais verdadeira do que nunca nos últimos anos, onde o turismo tem sido um apoio fundamental para a recuperação de muitos países e a criação de novos postos de trabalho “, mas acrescenta, “não devemos ser complacentes. Temos de avançar em questões tão fundamentais como a facilitação de viagens e conectividade, e sempre com a sustentabilidade como o núcleo de qualquer ação“. (fonte: http://www.hardmusica.pt/lazer/turismo/31274-europa-e-o-continente-mais-procurado-pelos-turistas.html)

Até mesmo diante dos ataques terroristas ocorridos em 13 de novembro de 2015 em Paris, embora tenha havido inicialmente um certo recuo, isto parece já ser coisa do passado. Na reportagem de 25.11 (menos de duas semanas após os ataques) vemos que:

Turismo em Paris se recupera após ataques, diz ministro

Queda na ocupação de hotéis e cancelamentos de voos recuaram. “Volta à normalidade está em andamento” diz ministro da Economia.

O turismo em Paris está começando a se recuperar, disse o ministro da Economia francês, Emmanuel Macron, nesta quarta-feira (25), depois que as reservas de hotel sofreram uma queda brusca devido aos ataques de militantes islâmicos em 13 de novembro que mataram 130 pessoas.

A ocupação diária de hotéis em Paris caiu 24 pontos percentuais, em média, na semana após os ataques reivindicados pelo Estado Islâmico, de acordo com dados divulgados nesta quarta por entidade oficial de Turismo de Paris. Mas a queda perdeu força para 16 pontos em 22 e 23 de novembro, segundo a organização

O nível de cancelamentos de passagens aéreas também voltou ao normal esta semana após uma queda logo após os ataques, disse a entidade.

“A situação está melhorando, uma volta à normalidade está em andamento nesta semana“, disse Macron durante visita ao distrito financeiro de La Defense, na zona oeste de Paris.” (fonte: http://g1.globo.com/mundo/noticia/2015/11/turismo-em-paris-se-recupera-apos-ataques-diz-ministro.html)

Um exemplo para demonstrar a força do turismo europeu é o projeto que o governo francês tem para desenvolver ainda mais o enoturismo no país: quer receber em 2020 nada menos que 20 milhões de apreciadores de vinhos:

Meu caro leitor ou leitora, a França é mesmo surpreendente no que se refere a vinhos: quer receber 100 milhões de turistas em 2020, dos quais 20 milhões serão enoturistas! Esta revelação foi feita pelo Ministro das Relações Exteriores da França, Monsieur Laurent Fabius, em uma entrevista coletiva dia 10 de junho em Paris, e está alinhado com a história do país: na França foi criada a primeira Rota dos vinhos Gran Crus do mundo – na Borgonha em 1934, há 80 anos! – e atualmente cerca de 5.000 vinícolas praticam religiosamente o enoturismo e suas melhores práticas. E não custa lembrar: Bordeaux foi eleito Melhor Destino Europeu 2015 e se prepara para inaugurar um gigantesco museu especializado, a “Cidade das Civilizações do Vinho” (maquete na foto abaixo, do lado direito do rio), em 2016.Para atingir esta marca o país vai desenvolver novos roteiros rurais de vinho; incentivar cruzeiros fluviais e adequar portos de rios; vai criar um fundo de investimento estatatal para financiar melhorias nas vinícolas e investir pesadamente em eventos de gastronomia. Este compromisso está assustando a concorrência e explico porque: muitos profissionais dos trades de vinho e turismo ainda consideram enoturismo uma atividade de nicho, um tipo de turismo que “complementa o turismo de sol&praia, cultural, de eventos e outros”, como ainda se ouve por aí. E só para você ter uma comparação, o Brasil – mesmo com 8.500 Km de litoral, 9 diferentes biomas e uma diversidade cultural gigantesca – recebe 6,5 milhões de turistas estrangeiros – incluindo o legado da Copa do Mundo em 2014… ” (fonte: http://invinoviajas.blogspot.com.br/2015/06/franca-investe-pesado-para-colocar-20.html)