Os nomes compridos podem ser complicados de se pronunciar, mas os Tribunais alemães são referência mundial no tocante à organização e formação de jurisprudência que influencia o direito. Na Alemanha, há um Tribunal Constitucional e tribunais especializados (direito tributário, do trabalho, administrativo, etc).

Outro dado interessante é que os Tribunais têm sedes em cidades distintas, e que estão localizadas fora da capital Berlim.

Sobre a organização e funcionamento do Poder Judiciário na Alemanha:

A mais alta instância da Justiça alemã é o Tribunal Constitucional Federal. Para reafirmar sua independência em relação ao Poder Executivo, sua sede não coincide com a capital do país e fica em Karlsruhe.  Ao Tribunal Constitucional Federal competem os casos de litígio entre federação e estados e entre diferentes órgãos federais, assim como pedidos de dissolução de partidos políticos que sejam considerados uma ameaça à ordem liberal e democrática.

A corte também julga questionamentos de constitucionalidade das leis federais e estaduais e dá a palavra final em reclamações de violação dos direitos fundamentais dos cidadãos. Estes podem recorrer ao tribunal apenas como última instância. Ao contrário do Brasil, os juízes do Tribunal Constitucional alemão possuem período predeterminado de atuação na mais alta instância jurídica do país. Eles exercem mandatos de 12 anos, sem direito a prorrogação. A corte é dividida em duas turmas (ou senados), com oito magistrados cada. A metade dos juízes é escolhida pelo Bundestag (câmara baixa do Parlamento) e a outra, pelo Bundesrat (câmara alta).

Mais tribunais

O Poder Judiciário alemão tem como primeiras instâncias os tribunais de comarca (Amtsgericht) e os regionais (Landgericht), conforme a causa. Já os tribunais de relação ou recurso chamam-se Oberlandesgericht. A Corte Federal de Justiça (Bundesgerichtshof) é a última instância para casos de direito civil e penal, tendo como missão não só julgar recursos, mas também unificar sentenças divergentes emitidas por tribunais inferiores. A Alemanha tem ainda cortes especializadas de âmbito nacional. O Tribunal Federal do Trabalho (Bundesarbeitsgericht) corresponde ao TST brasileiro, mas alguns outros não têm paralelo no Brasil. A Corte Federal das Finanças (Bundesfinanzhof), por exemplo, ocupa-se de casos tributários e alfandegários, enquanto o próprio nome deixa clara a área do Tribunal Federal de Patentes (Bundespatentgericht). Já o Tribunal Social Federal (Bundessozialgericht) é a última instância para ações na área de seguridade social, assim como o Tribunal Administrativo Federal (Bundesverwaltungsgericht) o é em assuntos da administração pública. Por sua vez, o Tribunal Federal Disciplinar (Bundesdisziplinargericht) julga infrações e crimes de servidores públicos. Com o objetivo de descentralizar o poder, estes tribunais têm suas sedes em diferentes cidades do país.” (fonte: http://www.dw.com/pt/o-poder-judici%C3%A1rio/a-900777)

Para não assustar aqueles que não estão habituados à língua alemã, estes nomes enormes na verdade são formados pela união de vários nomes. No caso, bundes significa federal. A própria Alemanha se chama Bundesrepublik Deutschland (República Federal da Alemanha); bundesliga é o campeonato nacional de futebol, etc. Por sua vez, Gericht significa tribunal (e Hof é corte). E a outra palavra traduz a matéria da competência do tribunal federal. Ex.: Verwaltung é Administrativo (daí Verwaltungsrecht – Direito Administrativo); Arbeit significa trabalho,  Finanz é Finanças, etc.

Destaque-se ainda que:

O poder judiciário, nos termos da constituição da Alemanha, é atribuído aos juízes. Seu exercício compete a Tribunal Constitucional Federal (Das Bundesvergassungsgerichts) a quem compete decidir, prioritariamente, sobre a interpretação da constituição quando ocorrer conflito acerca da extensão dos direitos e obrigações de um órgão federal superior ou de outras partes investidas de direitos próprios por força da constituição ou do regimento interno de um órgão federal superior. A esse sodalício compete decidir em tema de divergências de opinião ou dúvidas sobre a compatibilidade formal e substantiva de lei federal ou estadual em relação ao texto constitucional federal, entre outras antinomias reais ou aparentes que o sistema normativo propicie.

Há várias outras instâncias indicativas do controle de constitucionalidade por parte desse tribunal. O direito constitucional alemão prevê a reclamação constitucional, que pode ser interposta por qualquer pessoa que alegue ter sido lesada, por autoridade pública, em relação a direitos fundamentais previstos no texto de que se cuida. De acordo com a constituição alemã, o Tribunal Constitucional Federal compor-se-á de juízes federais e outros membros. Determinou-se que os membros do Tribunal Constitucional Federal serão eleitos pela metade dos integrantes do Parlamento Federal e do Conselho Federal respectivamente. Há também outros tribunais federais superiores. Entre eles, o Tribunal Federal de Justiça, o Tribunal Federal Administrativo, o Tribunal Federal de Finanças, o Tribunal Federal do Trabalho, o Tribunal Federal Social, que são cortes supremas das jurisdições ordinária, administrativa, financeira, trabalhista e social respectivamente.” (fonte: http://www.conjur.com.br/2010-ago-29/composicao-corte-constitucional-alema-decidida-legislativo?pagina=4)

Assim, de forma bem simples, podemos resumir a competência dos tribunais alemães por matéria da seguinte forma:

DIREITO CONSTITUCIONAL – Tribunal Constitucional com sede em Karlruhe:

DIREITO CIVIL E PENAL – Corte Federal de Justiça com sede em Karlruhe:

DIREITO DO TRABALHO – Tribunal Federal do Trabalho com sede em Erfurt:

DIREITO TRIBUTÁRIO E ALFANDEGÁRIO – Corte Federal das Finanças com sede em Munique:

DIREITO PREVIDENCIÁRIO – Tribunal Social Federal com sede em Kassel:

DIREITO DAS PATENTES – Tribunal Federal de Patentes com sede em Munique:

DIREITO DISCIPLINAR DOS SERVIDORES PÚBLICOS – Tribunal Federal Disciplinar com sede em Frankfurt

DIREITO ADMINISTRATIVO EM GERAL – Suprema Corte Federal Administrativa com sede em Leipzig: